ARQUEOLOGIA, PIRATAS, JOCK YOUNG

Os aviões zunem sobre o edifício, a grama cresce luminosa sob meus pés. Por causa dos aviões e seus zunidos me preocupo com a grama, procuro a grama e vejo se cresceu, quero medir toda noite sob a luz neon os milímetros de grama brotados após a passagem de cada avião. Considero um bloco de rocha qualquer em uma vertente a gravidade em ângulo reto tende a manter o bloco de rocha onde está enquanto tangencialmente tende a movimentar o bloco de rocha para baixo. A grama sempre úmida, quente mesmo durante a noite, zune metano.

Imagine a Terra no formato de uma maçã. Em 2003 uma equipe de geólogos da Universidade de Washington descobriu certa região de fontes termais submarinas batizada de campo hidrotermal Lost City, localizado na cordilheira meso-atlântica, no limite da placa tectônica, no topo do maciço Atlantis. Os fluidos de Lost City não são ácidos, mas alcalinos, a água é aquecida na circulação pela camada de rochas quentes abaixo e a temperatura mais alta já registrada é de apenas 90°C. 24   Essas águas não dissolvem rapidamente concentrações elevadas de metais, ferro, zinco, a água que brota em serpentinização por Lost City produz metanogenos minerais.

Desde a segunda metade do século XVIII habitantes das cidades viajam para o campo na tentativa de recuperar a saúde do corpo e harmonia da alma. Há preocupações que parecem indecentes quando estamos na companhia de um penhasco. Os penhascos naturalmente prestam assistência, estimulando com sua majestade o que é sólido e elevado em nós e nos ensinando a respeitar, com boa vontade e assombrada humildade, tudo aquilo que nos transcende. Naturalmente, ainda é possível sentir inveja de um colega diante de uma catarata sublime.25 

Contemplo a grama aquática ao redor do edifício. Mar gramíneo feito de pedras cigarras briófitas bromélias cipós vapores navios piratas neon luzes estelares zunido metano vek meu século minha fera quem pode olhar dentro dos teus olhos? Arqueológica, navego na janela do apartamento, grande bloco de rocha que tende a se movimentar para baixo, exceto quando passam aviões.

 

 24   As raízes mais profundas da vida texto de Alexander S. Bradley na revista Scientific American Brasil disponível em http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/as_raizes_mais_profundas_da_vida.html  acesso em 2013.

25  A Arte de Viajar de Alain de Botton, editora Intrínseca, edição 02, 2012.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s