AS ALMAS DESTE MUNDO

A luz atravessa as janelas, multirefletida, confere ao ambiente uma atmosfera suave e agradável. No final do ano é um hábito recordar, avaliar, estipular metas, fazer promessas, tomar resoluções. Mas como o cérebro representa percepções e produz lembranças? 15 Acreditem, foi elaborado o código da memória!

Segundo Joe Tsien, professor na Boston University, a ativação das redes neurais onde se encontram gravadas as memórias se dá por cliques. Um clique consiste em um grupo de neurônios que responde de forma semelhante a um evento específico e opera coletivamente como uma unidade de codificação. Após lerem esse parágrafo provavelmente vocês lembraram do projeto MyLifeBits em que Gordon Bell documentou digitalmente suas interações com outras pessoas e máquinas com o propósito de construir um arquivo pessoal seguro e pesquisável.16

Em experiências com camundongos os neurocientistas traduziram a atividade de conjuntos de cliques neurais em uma sequência de código binário conseguindo ler e comparar matematicamente a mente dos animais em situações simuladas específicas, estressantes, críticas. Especula-se o domínio do processamento do código da memória pode algum dia levar ao download de lembranças em tempo real para um computador e seu armazenamento digital.17

Na sociedade da informação se a tecnologia é utilizada para produzir medo, vulnerabilidade, controle, é forçoso adotar a prática da documentação pessoal, sousveillance, e da interação com os outros, coveillance, publicamente, para própria segurança privada. Um paradoxo, pois a política criminal sempre preceituou como medida de salvaguarda a afirmação do direito ao respeito à vida privada e incriminação dos seus ataques. Em tal cenário, sousveillance, coveillance, podem se tornar estratégias de precaução rotineira contra o risco de vitimização pelo aparato tecnológico estatal.

Surveillance neutralization, ou não.

 

15 Lembrando de quando tudo aconteceu texto de António Damasio na revista Scientific American Brasil edição especial 40 de 2011.

 16   O código da memória texto de Joe Z. Tsien na revista Scientific American Brasil edição especial 40 de 2011.

17 Idem.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s